Em Copas do Mundo o mais importante é a Alma.

domingo, junho 18, 2006

O verdadeiro Fenômeno brasileiro


À poucas horas da segunda partida do Brasil na Copa, vou analisar o Brasil na Copa, e falar um pouco do jogo contra os australianos, muito provavelmente alguns de vocês lerão o texto após o jogo.

Uma estréia razoável, é desse modo que enxergo o 1 X 0 aplicado pelo Brasil na Croácia. O time croata é muito bom e deve ficar com a segunda vaga do grupo. A equação desse jogo é simples: a Seleção não conseguiu jogar porque o adversário, forte que é, não deixou. Já não está na hora de parar com esse sensacionalismo midiático? Que o Ronaldo está gordo, está podre, com gastrite, tontura, o diabo, o que isso tem a ver com a dificuldade que o Brasil teve em jogar?


Ah… mas segundo os mesmos analistas, a defesa brasileira jogou e teve direito a efeitos especiais com gráficos no Jornal Nacional. Desculpe mas prefiro não falar a respeito disso. Sou um apreciador de grandes defesas, não da brasileira.

Nós brasileiros temos o costume de esperar um show de bola em quaisquer circunstâncias. Um mal não sofremos no período entre 1990 e 94, mas o tetra campeonato nos deu esse sentimento de melhores do mundo.

Não há mal algum em nos considerarmos os melhores do mundo. Os problemas são que ao mesmo tempo, nos esquecemos que outros países também jogam futebol, e como esse sentimento da autoconfiança torna-se o da descrença ao ver o time ter uma má apresentação, mesmo sem a derrota, o povo se sente derrotado. Talvez isso se explique pelo fato de nosso país relacionar demais o futebol com a pátria e quando o futebol vai mal automaticamente esse apatia toma conta da pátria, como se o sucesso no jogo fosse o sucesso da nação. Esse sim é um fenômeno brasileiro.

Jogar mal

Ronaldo, o Fenômeno, teve uma explicação pífia para sua atuação. “Eu também tenho direito de jogar mal um dia.”
Ronaldo, todos nós temos o direito de um dia não executamos de forma satisfatória nossas funções do dia a dia. Porém o direito não nos exclui da autocrítica, e na frase você esqueceu de um detalhe. Que tal se a frase ficasse assim: “Eu também tenho direito de jogar mal um dia, e o técnico tem o direito de me substituir assim como as pessoas de me criticarem.”


Jogo fácil

Brasil e Austrália deve ser um jogo fácil para nós. A Austrália ganhou um jogo que o Japão foi muito inocente e não teve capacidade de matar o jogo no contra-ataque, o time australiano nada tem de especial e abusa da jogadas de bola alta e de virilidade, com certa truculência. O placar vitorioso contra os japoneses não sintetizam o que fio realmente a partida. Jogando sério, como Argentina, Alemanha e porque não, a Inglaterra ganharemos por um bom placar. Não há segredo e não há motivos para tanta preocupação assim.

3 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Só é uma pena ouvir absurdos na mídia, dizendo que a Austrália é um time forte e que vai apresentar uma grande ameaça para o Brasil. Será que estamos vendo o mesmo time que eles???
Quanto ao Ronaldo, todos que não jogam bem podem ser criticados ou retirados do time. Afinal, esse é o trabalho dele!!!!!
Belo Texto!!!!

12:46 PM

 
Anonymous Fábio said...

Também achava que o jogo contra a Austrália seria fácil. Não foi.

A única saída pro Brasil na Copa é Parreira constatar o óbvio: Ronaldo e Adriano não podem jogar juntos na frente.

Robinho não pode ficar no banco. E eu, particularmente, prefiro o Ronaldo gordo do que o Adriano inteiro.

Ainda estamos no páreo, mas está cada vez mais difícil acreditar...

Abração!

10:27 PM

 
Anonymous JO said...

Grande jogo voçês fizeram ontem. Com Ronaldo, mesmo gordo, tudo fica mais fácil.
Abraços de Portugal. Encontramo-nos na final. http://lencoisbrancos.blogspot.com/

6:46 PM

 

Postar um comentário

<< Home

 
web statistics