Em Copas do Mundo o mais importante é a Alma.

segunda-feira, junho 12, 2006

Grupo A - Fácil? esperamos que não


O país-sede ainda tenta, de todas as formas, desvencilhar da sua imagem com as dos estragos causados pelo nazismo na Segunda Guerra. No mesmo grupo está a Polônia, um dos países que mais sofreram naquele período, e que recentemente perdeu um de seus maiores símbolos coincidentemente para a Alemanha. Saiu João Paulo II e entrou Bento XVI.

Esses problemas de guerra não existem na Costa Rica que extinguiu seu exército na década de 50. De seus belos litorais na América Central vamos em direção às cordilheiras dos Andes onde encontramos o país que divide o mundo e, que, certamente é o divisor de águas do grupo, o Equador.

O grupo A está longe de ser o mais complicado da Copa, ao contrário, está mais para ser considerado o mais fácil. Na estréia, os donos da casa justificaram o favoritismo e com um futebol corajoso, mesmo mostrando algumas dificuldades contra equipes mais fortes, conseguiu golear por 4 X 2. A Alemanha não decepcionou, jogou simples mas com sua eficiência habitual e com bons chutes de fora, quando o acesso ao interior da área estava dificultado. Por mais desacreditado que possa estar, o futebol alemão mostra que ainda pode resgatar a grandiosidade do passado. Destaques para Lahm, Frings e Klose (o matador, que não é nenhum Klinsmann). Do lado latino-americano os dois melhores jogadores foram Paulo Wanchope (verdadeiro matador que cairia muito bem a qualquer time brasileiro) e Walter Centeno (que talvez poderia jogar seu refinado futebol na Bundesliga).

No outro jogo do grupo, duas surpresas, uma agradável, outra desagradável. Coube ao Equador o futebol mais bem jogado do primeiro dia de competição, assim como coube aos poloneses a maior decepção. O futebol equatoriano é uma clara herança do bom futebol colombiano dos anos 90, com ginga no meio de campo e rápidos atacantes, a diferença, porém, está no seu setor defensivo mais intenso. Seus destaques maiores foram os meias Mendez e Valencia, e, os fortes atacantes Delgado e Carlos Tenório (ambos muito fortes e velozes). A Polônia, apresentou um jogo difícil. Para nós brasileiros os complicados nomes dos jogadores tornavam-se impronunciáveis. Sorte dos narradores que eles não criaram muitas jogadas. Seus bons jogadores foram o meia Krzynowek e “falso” ponta Jelen (que entrou no segundo tempo e meteu duas na trave).

Vamos torcer que Costa Rica e Polônia tenham melhor sorte na segunda rodada, senão o grupo vai confirmar sua fama de o mais fácil da Copa e teremos os dois primeiros classificados.

*Fotos www.fifaworldcup.com

2 Comments:

Anonymous Fábio said...

Salve, salve, cara!

Gostei demais do novo blog, muito bem feito. Parabéns pelos primeiros posts e pelo visual!

A princípio, continuo cravando Alemanha x Inglaterra na final. E a queda do Brasil nas oitavas, contra a Itália.

Aliás, minha convicção de que a Itália será a segunda do grupo dela ficou ainda mais reforçada após a bela estréia da República Tcheca agora há pouco...Mas vamos aguardar.

Boa Copa procê, cara!

4:55 PM

 
Anonymous Gabriel said...

E aí Guy, estou gostando de ver, ótimas idéias e ótimos textos; Não sou de torcer muito para o Brasil, mas acho que ele não cai nas oitavas não, a Alemanha eu acho que periga não chegar as quartas-de-final, na minha opinião apresentou um futebol muito pobre e lento, embora tenha bons chutadores.

8:30 PM

 

Postar um comentário

<< Home

 
web statistics